Dicas

O “SER” DA RELIGIÃO: RELIGIÃO COMO SISTEMA CULTURAL DE SINAIS

outubro 24, 2018

Tomemos a primeira parte da definição, que diz respeito ao ser da religião. Sua especificação como linguagem cultural de sinais contem três traços: a religião possui caráter semiótico, sistêmico e cultural. No Curso de Teologia EAD do SETEFI você estuda a religião e a sua  fenomenologia manifesta nos vários períodos da história da humanidade.

Em primeiro lugar, a religião é um fenômeno semiótico. Com isso, distinguimo-nos de outras definições de religião. Não afirmamos que ela é a experiencia do sagrado. Não dizemos também que seja uma projeção humana. Dizemos: ela é um sistema objetivo de sinais. O que significa isso? O ser humano não pode existir em seu ambiente tal qual o encontra. Ele precisa modifica-lo. De um lado, ele faz isso mediante o trabalho e a técnica e, de outro lado, mediante a interpretação. A compreensão do mundo dá-se por meio de um sistema de interpretação: pelo senso comum no dia-a-dia, pela ciência, cultura e religião em campos especializados da vida. Por intermédio do trabalho e do conhecimento, o ser humano transforma seu mundo num lar habitável. A mudança do mundo, valendo-se da interpretação, não acontece mediante intervenções causais na natureza, como no trabalho e na técnica, mas por meio de “sinais”, ou seja, com o auxílio de elementos materiais que, na qualidade de sinais, criam relações semióticas com algo específico. Tais sinais e sistema de sinais não alteraram a realidade específica, mas, sim, a nossa relação cognitiva, emocional e pragmática com ela: eles incrementam a nossa atenção, organizam coerentemente as nossas impressões, ligam-nas aos nossos comportamentos. Somente no mundo assim interpretado é que podemos viver e respirar.

O que existe, pois, de especial no sistema religioso de sinais? Ele se caracteriza pela combinação de três formas de expressão que se ligam dessa maneira apenas na religião: mito, rito e etos. Expliquemos brevemente cada uma dessas formas de expressão.

     A disciplina Ciências da Religião do Mestrado em Teologia do SETEFI aborda a divergência e convergência das religiões, a guerra entre a ciência e a religião, e as questões pendentes no campo da ciência e da religião, dentre outros temas.

      Mitos explicam, em forma narrativa, o que determina fundamentalmente o mundo e a vida. Na maioria das vezes eles narram o comportamento de diversos deuses num tempo primordial, ou num tempo escatológico, muito distante do presente mundo habitado. Na tradição bíblica, logo se deu uma transformação; o mito das ações fundamentais de Deus foi estendido por toda a história até o presente, tornou-se uma narrativa historico-salvifica que também engloba a história. Ao mesmo tempo, a narrativa de inúmeros deuses converteu-se no relato de um só e único Deus, que conta apenas com um parceiro social; o povo de Israel como representante de toda a humanidade. No cristianismo primitivo, encontramos uma continuação desse desenvolvimento; um mito liga-se a uma história concreta em meio ao tempo. Um ser humano particular, membro do povo de Israel, toma-se o centro de todos os acontecimentos. Uma teoria da religião crista primitiva deve tornar-se compreensível essa ligação singular entre mito e história.

      Ritos são padrões de comportamento repetitivos com os quais as pessoas interrompem suas atividades cotidianas, a fim de apresentar a outra realidade significada no mito. Conforme antiga divisão (Plutarco, Is 3.68), eles incluem:

  • Palavras interpretativas
  • Comportamentos
  • Objetos

Nas palavras interpretativas, o mito e atualizado em forma condensada. Destarte, os comportamentos adquirem um excedente simbólico e são relacionados como sinais da “outra realidade”. Em razão desse “excedente”, os objetos presentes no rito são subtraídos ao uso cotidiano, profano — inclusive o lugar e o edifício onde e nos quais os ritos se realizam. Uma teoria da religião crista primitiva tem a ver com uma grande ruptura nas formas de expressão simbólica da religião. Desde logo — de diversas formas no judaísmo e no cristianismo (e também na filosofia) — as práticas rituais tradicionais (os sacrifícios cruentos de animais) foram substituídas por novos ritos (incruentos). Objetos tradicionalmente santos, como templos, perderam sua “sacralidade”. Acima de tudo, porém, chegou-se a um comportamento novo e paradoxal entre realizações rituais e suas interpretações: os primeiros cristãos desenvolveram, na verdade, um sistema de sinais sem templo, sem sacrifício, sem sacerdote, e conservaram, então, de forma dissimulada em suas interpretações, esses elementos tradicionais de sistemas religiosos, muitas vezes até mesmo numa forma arcaica já então ultrapassada: eles cessaram, com efeito, de sacrificar animais, mas, em suas interpretações, reativaram uma forma de sacrifício de há muito superada: o sacrifício de pessoas — como o sacrifício expiatório de Jesus.

Extraído: A Religião dos Primeiros Cristãos – Gerd Theissen (PAULINAS)

Devocionais

AS TRÊS ATITUDES DO CRENTE

outubro 18, 2018

 

Para que a vida de um crente seja agradável a Deus, é preciso que esteja adequadamente ajustada ao Senhor, em todos os sentidos. É muito frequente colocarmos toda ênfase, quando nos dedicamos à aplicação desse princípio, em algum pormenor solitário de nosso comportamento ou de nosso trabalho cristão.

É por isso que falhamos, com frequência, ao não conseguir apreciar devidamente toda a extensão do ajustamento requerido pelo Senhor, ou às vezes, não descobrirmos o ponto por onde deveríamos começar. Entretanto, Deus avalia todas as coisas, do princípio ao fim, segundo a perfeição de seu Filho. As Escrituras afirmam com clareza que a alegria do Senhor está em “fazer convergir em Cristo todas as coisas… em quem também fomos feitos herança” (Efésios 1:9-11).

Eis, pois, minha oração fervorosa: Que nas páginas que se seguem, nossos olhos possam ser abertos de modo especial para que consigamos ver que só podemos perceber o propósito divino para nós quando colocamos toda a ênfase nele. Isto também está resumido em Efésios (1:12): “a fim de sermos para louvor da sua glória, nós, os que de antemão esperamos em Cristo”. Como contexto de nossos pensamentos, tomaremos a carta de Paulo aos Efésios.

À semelhança de várias das cartas de Paulo, esta se divide de modo natural em duas seções: a doutrinária e a prática. A seção doutrinária (capítulos 1 a 3) relaciona-se principalmente com os grandes fatos da redenção que Deus executou para nós em Cristo. A seção prática (capítulos 4 a 6) prossegue apresentando-nos as exigências, em termos de conduta e zelo cristãos, que Deus impõe sobre nós à luz da redenção. Essas duas seções relacionam-se intimamente, mas veremos que a ênfase difere em cada seção.

A segunda porção da carta, obviamente mais prática, pode ser subdividida para nossa conveniência, de acordo com o assunto, em duas seções: a primeira é longa, indo de 4:1 até 6:9, e a segunda bem mais curta, vai de 6:10 até o fim. A primeira parte trata de nossa vida neste mundo; a segunda, de nosso conflito com o diabo.

Assim é que temos, ao todo, três divisões na carta aos Efésios, as quais estabelecem:

(1) a posição do crente em Cristo (1-3:21);

(2) a vida do crente neste mundo (4:1-6:9); e

(3) a atitude do crente diante do inimigo (6:10-24)…

Dentre todas as cartas de Paulo, Efésios é aquela em que encontramos as mais elevadas verdades espirituais a respeito da vida cristã.

No Curso de Teologia EAD do SETEFI você estuda o panorama dos sessenta e seis livros da Bíblia, incluindo a carta aos Efésios.

A carta é rica de gemas espirituais e, ao mesmo tempo, é intensamente prática. A primeira metade da carta revela nossa vida em Cristo como sendo vida de união com Ele nos mais elevados reinos celestiais.

A segunda metade da carta nos mostra, em termos práticos, como tal vida celestial deve ser vivida aqui na terra. Não nos propomos estudar a carta em todas as suas minúcias. Entretanto, abordaremos alguns princípios que fundamentam seu conteúdo, o coração da carta. Para esse propósito, selecionaremos uma palavra-chave de cada uma de suas seções, a fim de expressar o que acreditamos ser sua principal ideia.

Na primeira seção da carta notamos a palavra assentar (2:6), a palavra-chave dessa seção, o segredo da verdadeira experiência cristã.

Deus nos fez assentar com Cristo nos lugares celestiais, de modo que todo crente deve começar sua vida espiritual ali, nesse lugar de repouso.

Na segunda parte, selecionamos a palavra andeis (4:1), a qual exprime nossa vida neste mundo, assunto dessa seção. Somos desafiados aqui a demonstrar nossa conduta cristã, nosso comportamento coerente com tão elevada vocação.

Finalmente, na terceira seção, encontramos a chave de nossa atitude perante nosso inimigo, a qual está contida na palavra firmes (6:11), a qual expressa nosso triunfo final. Assim é que temos, então:

  1. Nossa posição em Cristo – assentar (2:6)
  2. Nossa vida no mundo – andeis (4:1)
  3. Nossa atitude para com o inimigo – firmes (6:11)

A vida do crente sempre apresenta estes três aspectos: um que se refere a Deus, outro ao ser humano e o outro aos poderes satânicos.

A disciplina Angelologia do Curso Básico de Teologia do SETEFI aborda com riqueza de detalhes o tema sobre os anjos bons e maus. Se ele quiser ser útil nas mãos de Deus, deve ajustar-se de modo adequado com respeito a esses três aspectos: sua posição, sua vida e sua guerra. O crente deixa de atender às exigências de Deus a partir do momento em que subestima a importância de qualquer desses elementos, pois, cada um deles constitui um campo no qual Deus expressa “louvor e glória da sua graça, a qual nos deu gratuitamente no Amado” (1:6). Tomaremos, pois, essas três palavras — assentar, andeis, firmes — como guias para o ensino total da carta aos Efésios, e como o texto onde se insere a mensagem para nossos corações.

Verificaremos que será sumamente instrutivo observar a ordem em que aparecem, bem como as conexões que as unem entre si.

 Extraído: As três atitudes do crente – Watchman Nee (VIDA)

Devocionais

AMÓS – O homem, seu tempo e sua mensagem

outubro 17, 2018

O LIVRO de Amós é u m brado altissonante à Igreja contemporânea. Ele é um forte clamor por justiça social. Esse livro deve ser estudado nos parlamentos, nas casas de leis, nas salas dos governantes, nos tribunais, e, sobretudo, na igreja. Meu ardente desejo com este livro é que Amós volte a falar à Igreja.

 

J.A. Motyer, comentando sobre a importância desse livro, diz que a mensagem de Amós repreende nosso formalismo; oferece o lembrete salutar de que uma tradição da Igreja pode ter atravessado duzentos anos para se comprovar tão falsa atualmente, quanto o foi no princípio; ela insiste que a igreja, quando deixa de centralizar-se na Palavra de Deus, enfrenta um perigo perpétuo; denuncia o pecado da auto satisfação religiosa; descreve a religião que Deus abomina e exige que seja substituída por uma dependência da graça divina em fé e arrependimento, um compromisso com a lei de Deus em obediência, e uma preocupação incessante pelos homens necessitados. Sem

isso, nada é mais eficiente do que a religião para nos separar do amor de Deus e nos cobrir com a sua ira.

 

Amós inaugurou o ministério dos profetas canônicos. Seu livro é a mais antiga das profecias escritas que levam o nome do escritor. R. B. Y. Scott diz que o grande dia da profecia hebraica começou com Amós. Edward J. Young diz que é de consenso geral que esse livro é inteiramente da autoria de Amós. Esse livro é um dos maiores tratados de justiça social de toda a literatura universal além de ser um encorpado manual de teologia. Revela de forma eloquente a soberania de Deus na história das nações, bem como nos fenômenos naturais. Deus está assentado na sala de comando do universo e tem as rédeas da história humana em Suas mãos.

 

 

O HOMEM AMÓS

O significado do nome Amós é provavelmente “aquele que carrega fardos” ou “carregador de fardos” (derivado do verbo ãmas, “erguer um fardo, carregar”). O livro contém muitos fardos de julgamentos ou calamidades que o profeta transmitiu a Israel. Amós não era procedente da classe rica e aristocrática, empoleirada no poder, mas oriundo das toscas montanhas de Tecoa, aldeia incrustada nas regiões mais altas da Judéia. A. R. Crabtree. diz que Tecoa ficava nove quilômetros ao sul de Belém. Foi um dos lugares fortificados por Roboão para a proteção de Jerusalém (2Cr 11.6). Com a elevação de 920 metros, servia de lugar para tocar trombeta, e assim transmitir sinais e anúncios ao povo (Jr 6.1).

 

Amós era pastor de ovelhas e agricultor, homem de pele bronzeada, de caráter robusto, de voz retumbante, de profundo conhecimento da realidade do mundo ao seu redor. George Robinson, comentando sobre a pessoa de Amós, diz que “ele era severo, destemido, um homem granítico, que tinha mente ágil e imaginação viva”. Falando sobre seu estilo, Clyde Francisco afirma que a linguagem do livro de Amós tem o mais elevado estilo e é a mais pura do Antigo Testamento.

 

Embora nunca tivesse desfrutado as vantagens de uma educação formal numa “escola de profetas”, tinha absoluta convicção do seu chamado profético. Ao receber sua vocação da parte de Deus, deixou seu lar em Judá, como mero leigo, proclamando, na orgulhosa capital do Reino do Norte, uma mensagem hostil, sem qualquer autorização eclesiástica. Sem qualquer título oficial de profeta reconhecido, enfrentou os preconceitos do público em Efraim, sem desviar-se do seu propósito. Seu senso de vocação lhe deu firmeza nas provas. Gerald Van Groningen apoia a tese de que Amós levou adiante a obra de Elias e de Eliseu, que ministraram em Israel por volta de 860-810 a.C.

 

Se você deseja conhecer mais a Bíblia e estudar detalhadamente os profetas menores, inscreva-se no bacharel em teologia pelo MEC do SETEFI. O universo do conhecimento teológico vai se abrir para você e mudará sua vida e ministério.

 

Extraído: Amós: um clamor pela justiça social – Hernandes Dias Lopes (HAGNOS)

Devocionais

Jovens Sábios

agosto 24, 2018

Salmo 119:99-101 mostra como o jovem pode ser mais sábio do que o velho.

A juventude é uma época da vida emocionante e desafiadora. A transição de criança para adulto é cheia de maravilhas. A criança ganha independência, desenvolve uma personalidade ímpar, assume responsabilidades e, quase antes que alguém note, emerge como um adulto.

Mas essa transição não é sempre fácil. Há tentações e desejos a serem superados. Há decisões a tomar que determinarão o futuro, pode ser até mesmo para a eternidade. Mas, jovem, você não foi deixado à deriva no mar revolto da vida, sem uma bússola. O Deus que o fez traçou o curso do sucesso e da segurança. Confie nele e você chegará ao destino certo.

Freqüentemente associamos a sabedoria com a idade e os cabelos grisalhos. É verdade que as experiências na vida podem equipar-nos para manejar decisões e desafios maiores. Mas a idade não é garantia de sabedoria. Salmo 119:99-101 mostra como o jovem pode ser mais sábio do que o velho.

“Compreendo mais do que todos os meus mestres, porque medito nos teus testemunhos. Sou mais prudente que os idosos, porque guardo os teus preceitos. De todo mau caminho desvio os pés, para observar a tua palavra.”

As experiências ajudam, mas jamais servirão como substituto do estudo da palavra de Deus. Eu sou privilegiado por conhecer algumas das mais finas pessoas desta terra, e muitas delas ainda não completaram o 25º aniversário. Essas pessoas (moços e moças) são piedosas e sabem o que Deus quer delas e também possuem coragem para fazer a vontade dele. Elas podem estar rodeadas por um mundo cheio de sensualidade e egoísmo, mas são bastante fortes para serem diferentes. Elas me encorajam a ser uma pessoa melhor.

Graças a Deus pelos jovens que seguem as instruções que Paulo deu a Timóteo: “Ninguém despreze a tua mocidade; pelo contrário, torna-te padrão dos fiéis, na palavra, no procedimento, no amor, na fé, na pureza” (1 Timóteo 4:12).

 

­por Dennis Allan

Curiosiodades

O livro mais vendido do Mundo

julho 26, 2018

A Bíblia foi o primeiro livro impresso do mundo, é o mais traduzido e o mais vendido

Em 1460, o alemão Johannes Gutenberg finalizou um trabalho que demorou 5 anos. A invenção da prensa com tipos móveis revolucionou o mundo. O primeiro livro impresso dessa maneira foi a Bíblia e isso foi fundamental para a Reforma Protestante.

Continua sendo o livro mais vendido do mundo desde então. Segundo as estatísticas mais recentes, ela já foi traduzida em cerca de 2900 línguas e dialetos.

Em 2014, somente as Sociedades Bíblicas Unidas (SBU) distribuíram 34 milhões de exemplares em todo o mundo. Considerando somente o Brasil, foram 7,6 milhões de volumes impressos pela Sociedade Bíblica do Brasil (SBB), que publica as versões evangélicas. São mais cerca de 3,4 das católicas, totalizando 11 milhões.

Se quer aprender mais sobre essas curiosidades, acesse o nosso site e matricule-se já em um curso teológico. Não perca essa oportunidade!

Dicas

VANTAGENS DE ESTUDAR TEOLOGIA EAD

maio 29, 2018

Entenda por que estudar teologia a distância vale muito a pena e conheça os cursos de teologia EAD do Seminário Teológico Filadélfia – SETEFI!

Com uma metodologia moderna e inteligente de estudar, o ensino a distância está revolucionando a educação superior no Brasil.

Nos últimos anos, essa modalidade vem crescendo a um ritmo que chega a ser até três vezes maior que o modelo presencial. O número de alunos, que em 2003 era de apenas 92 mil, hoje já supera 1,3 milhão!

São inúmeras opções de cursos, mensalidades mais em conta, ambientes de aprendizagem cada vez mais sofisticados, e, principalmente, alta disponibilidade. É possível encontrar cursos a distância em praticamente qualquer lugar do Brasil, mesmo nas localidades mais distantes.

Se você acha que as vantagens param por aí, dê uma olhada no site do SETEFI, ele provavelmente irá convencê-lo a fazer um curso de teologia EAD hoje mesmo!

 

Teologia EAD é flexível

Uma das características que os alunos de ensino a distância mais apreciam é a flexibilidade.

Sem horários e locais fixos para estudar, como acontece nas graduações tradicionais, o aluno fica livre para acompanhar os conteúdos no horário mais conveniente, da forma que achar melhor. Há quem estude de manhã cedo, antes de sair para o trabalho, há quem dê aquela espiada no horário de almoço, ou prefira acessar os conteúdos à noite, na tranquilidade e no silêncio.

Só não vale confundir flexibilidade com moleza! No EAD em Teologia, como em qualquer graduação, é preciso bastante dedicação e atenção aos prazos. Os cursos a distância também têm datas para entrega de trabalhos e realização de provas.

É mais barato fazer Teologia EAD

Você sabia que dá para fazer um curso superior de teologia a distância pagando apenas R$ 249,00?

Pois é! No SETEFI o bacharel em teologia EAD reconhecido pelo MEC está nesse valor. É um investimento baixo quando comparado aos benefícios de se ter um diploma de nível superior.

É bem mais barato que fazer um curso presencial – sem falar na economia extra que o EAD proporciona. Por não precisar se deslocar todos os dias até a faculdade, o aluno economiza tempo e dinheiro com transporte!

Conteúdo e interação estão sempre à mão

Uma das grandes vantagens da Teologia EAD é que o aluno não perde nenhum conteúdo. Tudo está disponível no ambiente virtual de aprendizagem e pode ser acessado a qualquer momento, quantas vezes o estudante desejar, de onde ele estiver.

A interação é outro ponto forte do EAD. Todo curso conta com uma equipe de tutores e professores à disposição para tirar suas dúvidas ou ajudar em alguma questão. Há também chats e fóruns de discussão com os colegas de turma.

O Diploma de Teologia EAD vale tanto quanto o presencial

O diploma emitido por um curso superior de teologia a distância vale tanto quanto o de um curso presencial. O que importa é se a instituição tem autorização e reconhecimento do Ministério da Educação (MEC).

A informação sobre modalidade – presencial ou a distância – sequer consta no documento.

Os alunos que se formam na Teologia EAD podem usar o diploma para assumir uma vaga que exija mais qualificação, participar de concursos públicos de nível superior ou entrar em uma pós-graduação.

Faça sua matricula hoje mesmo no bacharel em teologia EAD do SETEFI e aproveite todas essas vantagens!

 

Adaptado de: https://www.ead.com.br

Imagens de: Ceaico

Dicas

A IMPORTÂNCIA DO DIPLOMA DE TEOLOGIA PELO MEC

abril 11, 2018

Você deseja iniciar o caminho para a conquista do diploma de nível superior? Ele é fundamental na sua carreira, porque certifica sua passagem pela faculdade e pode trazer muitas vantagens.
Quer saber a importância desse diploma?

ATENDA ÀS EXIGÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO
O diploma de nível superior é, muitas vezes, o requisito mínimo para que você possa ser levado em consideração na hora da seleção para uma vaga.

GANHE SALÁRIOS MAIORES
O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2013, trouxe uma informação importante: quem tem diploma universitário ganha o dobro do que quem não tem.

PARTICIPE DE CONCURSOS PÚBLICOS E PRIVADOS
Um grande número de vagas para diplomados abre todos os anos no Brasil, com benefícios substanciais. Os salários destinados às vagas para quem tem curso superior são muito maiores do que as destinadas a quem não tem.

SEJA O DONO DO SEU FUTURO
Durante o ensino fundamental e, até mesmo, nos primeiros anos do ensino médio, temos a sensação de que são os outros (a escola, os pais, o governo) que decidem a respeito do nosso futuro. No entanto, a partir do momento em que você se torna adulto, se transforma no único responsável pelo seu desenvolvimento pessoal e profissional.

O diploma de bacharel em teologia pelo MEC é garantia de emprego certo, e também é um dos requisitos mínimos para que você seja um profissional competitivo em um mercado de trabalho cada vez mais acirrado.

Matricule-se: https://setefi.com.br/cursos/bacharel-em-teologia-pelo-mec/

 

Fonte: Adaptado de blog.metodista.br

Devocionais

DEFINIÇÕES DE TEOLOGIA

março 27, 2018

A) Chafer: Uma ciência que segue um esquema ou uma ordem humana de desenvolvimento doutrinário e que tem o propósito de incorporar no seu sistema a verdade a respeito de Deus e o Seu universo a partir de toda e qualquer fonte (Lewis Sperry Chafer).

B) Alexander: A ciência de Deus… um resumo da verdade religiosa cientificamente arranjada, ou uma coleção filosófica de todo o conhecimento religioso (W. Lindsay Alexander).

C) Hodge: A teologia sistemática tem por objetivo sistematizar os fatos da Bíblia, e averiguar os princípios ou verdades gerais que tais fatos envolvem (Charles Hodge).

D) Strong: A ciência de Deus e dos relacionamentos de Deus com o universo (A. H. Strong).

E) Thomas: A ciência é a expressão técnica das leis da natureza; a teologia é a expressão técnica da revelação de Deus. Faz parte da teologia examinar todos os fatos espirituais da revelação, calcular o seu valor e arranjá-los em um corpo de ensinamentos. A doutrina, assim, corresponde às generalizações da ciência (W. H. Griffith Thomas)

F) Shedd: Uma ciência que se preocupa com o infinito e o finito, com Deus e o universo. O material, portanto, que abrange é mais vasto do que qualquer outra ciência. Também é a mais necessária de todas as ciências (W. G. T. Shedd).

G) Definições Inadequadas: Para definir teologia foram empregados alguns termos enganadores e injustificados. Já se declarou que ela é “a ciência da religião”; mas o termo religião de maneira nenhuma é um sinônimo da Pessoa de Deus e de toda a Sua obra. Da mesma forma já se disse que ela é “o tratamento científico daquelas verdades que se encontram na Bíblia; mas esta ciência, embora extrai a porção maior do seu material das Escrituras, extrai também o seu material de toda e qualquer fonte. A teologia sitemática também tem sido definida como o arranjo ordeiro da doutrina cristã; mas como o cristianismo representa apenas uma simples fração de todo o campo da verdade relativa à Pessoa de Deus e o Seu universo, esta definição não é adequada.

Devocionais

O QUE É TEOLOGIA?

março 22, 2018

 

O termo teologia, segundo seus aspectos etmológicos, é composto de duas palavras gregas: Theos (Deus) e logos (palavra, fala, expressão).                                                                                                                                           

Tanto Cristo, a Palavra Viva, como a Bíblia, a Palavra Escrita, são o Logos de Deus. Eles são para Deus o que a expressão é para o pensamento e o que a fala é para a razão.
A teologia, é portanto uma Theo-logia, isto é, uma palavra, uma fala ou expressão sobre Deus; uma doutrina sobre Deus. É o estudo sobre a revelação de Deus que é a expressão dos Seus pensamentos e, logo, é, também, o estudo sobre Sua própria Pessoa. Portanto teologia é o estudo sobre Deus, sua obra e sua revelação.          

Embora não encontremos nas Escrituras a palavra teologia, ela é bíblica em seu caráter. Em Rm.3:2 encontramos ta logia tou Theou (os oráculos de Deus); em 1ªPe.4:11 encontramos logia Theou (oráculos de Deus), e em Lc.8:21 temos ton Logon tou Theou (a Palavra de Deus).

                                                                   

TEOLOGIA SISTEMÁTICA

Nenhuma exposição sobre Deus seria completa se não contemplasse Suas obras e Seus caminhos no universo que Ele criou, além de Sua Pessoa. Toda ciência provêm e mantêm relação com o Criador de todas as coisas e com Seu propósito na criação. E toda verdade é verdade de Deus, onde quer que ela seja encontrada. Deus se revelou na criação e nas Escrituras, e a verdade achada pelas ciências naturais e sociais, por cristãos ou profanos, não é verdade profana; é verdade sagrada de Deus (Cl.2:3). Toda verdade, onde quer que seja encontrada, tem peso e valor iguais como verdade, como qualquer outra verdade. Uma verdade pode ser mais útil em dada circunstância, e uma outra em outra, mas ambas têm valor como verdade.

Portanto é perfeitamente lícito utilizar-se de outras fontes, enquanto verdade, para o estudo da teologia. O estudo teológico que incorpora em seu escôpo o exame das ciências naturais e sociais, é denominado teologia sistemática.

Devocionais

A Maior Virtude

outubro 17, 2017

Uma palavra essencial que merece atenção: Obrigado!

A gratidão é uma percepção refletida dos benefícios da vida. É a maior das virtudes. Estudos vinculam a gratidão com uma variedade de efeitos positivos. Pessoas gratas tendem a ter mais empatia e a perdoarem os outros, serem menos invejosas, menos materialistas e menos egoístas.

A gratidão aumenta a autoestima e melhora relacionamentos, a qualidade do sono e longevidade. Se viesse na forma de uma pílula, a gratidão seria considerada uma cura milagrosa. Não é de se admirar que a terapia de Deus para a ansiedade inclui uma dose grande de gratidão.

O coração ansioso diz “Senhor, se eu tivesse isso ou aquilo, ou aquilo outro, eu estaria bem.” O coração grato diz “Veja, o Senhor já me deu isso e aquilo e aquilo outro. Obrigado, Deus.”

A ansiedade recusa compartilhar o coração com a gratidão. Um “obrigado” de coração sugará todo o oxigênio do mundo da ansiedade. Então, diga-o com frequência!

@maxlucado